segunda-feira, 8 de março de 2010


Meu bem que hoje me pede pra apagar a luz



E pôs meu frágil coração na cruz


No teu penoso altar particular






Sei lá, a tua ausência me causou o caos


No breu de hoje eu sinto que


O tempo da cura tornou a tristeza normal






E então, tu tome tento com meu coração


Não deixe ele vir na solidão


Encabulado por voltar a sós






Depois, que o que é confuso te deixar sorrir


Tu me devolva o que tirou daqui


Que o meu peito se abre e desata os nós






Se enfim, você um dia resolver mudar


Tirar meu pobre coração do altar


Me devolver, como se deve ser






Ou então, dizer que dele resolveu cuidar


Tirar da cruz e o canonizar


Digo faço melhor do que lhe parecer






Teu cais deve ficar em algum lugar assim


Tão longe quanto eu possa ver de mim


Onde ancoraste teu veleiro em flor






Sem mais, a vida vai passando no vazio


Estou com tudo a flutuar no rio esperando a resposta ao que chamo de amor



Aguardem-me...




sexta-feira, 5 de março de 2010

"Friendship isn't about whom you have known the longest,
but about who came and never left your side."

(Autor desconhecido)

Aguardem-me..

"Se amanhã eu não estiver cá..."

Um texto de uma mãe para um filho, que todas as pessoas deviam ler! Se amanhã eu não estiver cá… “Há dias em que não me é fácil saber q...