domingo, 13 de abril de 2008

Le Bonheur


Não tenho medo de amar porque gosto de viver. Consigo olhar o infinito e descobrir, nas brisas mais profundas, as palavras que saem da tua alma directamente para o meu coração.

Fecho os olhos e oiço os teus pensamentos mais sinceros, sinto o sabor dos teus lábios e esgoto a tua energia num impetuoso grito de euforia.

As feridas que outrora sangraram, estão agora fechadas, isoladas numa leve cicatriz que não dói. Quando lhes tocas sentes, mas não consegues ferir as marcas da minha existência. Elas são o rosto daquilo que anteriormente vivi e sofri.

Não sou tua, não te pertenço porque não sou de ninguém. Sou carne e espírito, habitante de um mundo mal-amado mas autêntico. Sou amor e dor, sou os braços de quem precisa, o ombro de quem quer chorar e a dura realidade.

Se olho em frente o sol brilha, inunda de luz pequenas partes do cimento gasto e usado, mas acolhe-me numa sombra serena e fresca, para que eu não possa sofrer enquanto exploro o horizonte.

Não te entregues por aquilo que vês, não imagines um presente perfeito com alguem que não está totalmente inteiro. Ainda procuro em mim as pequenas peças que faltam. Os pedaços da minha alma espalham-se numa célere ideia daquilo que sou. Não consigo alcançar todos os significados do que digo, mas posso olhar os fragmentos e tentar decifrar a poesia do que me fará feliz.

Antes da tua presença os dias passaram-se sem que os meus dedos conseguissem expressar as sensações do que sentia, as ideias não flutuavam com a precisão deste momento e o coração não revelava num ápice, a razão da tristeza.

Não estás na minha vida porque me forcei a amar. És, certamente, o presente no meu espírito, mas, está ao alcance da tua mão ser o futuro na minha existência.

…le bonheur tout simplement…

Paula Sousa



Como existem textos e palavras que nos conseguem definir os momentos que vivemos… e este texto representa isso mesmo… sábias palavras…

Aguardem-me…

5 comentários:

♥ Dil disse...

gostei de ler, sábias palavras
ke giro tb sou paula,tb és?
um beijinho

Isa disse...

Olá Dil,

Não... a Paula Sousa é a autora do texto...

O texto não é de minha autoria... Eu sou Isa :)

Beijinhos

Jasmim disse...

Lindo Isa...

beijo doce em ti querida.

*

LNeves disse...

"As feridas que outrora sangraram, estão agora fechadas, isoladas numa leve cicatriz que não dói."

Acho que esta é a parte mais complicada da vida. Tratar das feridas de tal maneira, para que mais tarde não sintas as cicatrizes.

Muito sinceramente, considero isto impossivel... Há feridas que não fecham...

***MUAH***

Helena disse...

Beijinho:)

"Se amanhã eu não estiver cá..."

Um texto de uma mãe para um filho, que todas as pessoas deviam ler! Se amanhã eu não estiver cá… “Há dias em que não me é fácil saber q...