domingo, 13 de abril de 2008

Le Bonheur


Não tenho medo de amar porque gosto de viver. Consigo olhar o infinito e descobrir, nas brisas mais profundas, as palavras que saem da tua alma directamente para o meu coração.

Fecho os olhos e oiço os teus pensamentos mais sinceros, sinto o sabor dos teus lábios e esgoto a tua energia num impetuoso grito de euforia.

As feridas que outrora sangraram, estão agora fechadas, isoladas numa leve cicatriz que não dói. Quando lhes tocas sentes, mas não consegues ferir as marcas da minha existência. Elas são o rosto daquilo que anteriormente vivi e sofri.

Não sou tua, não te pertenço porque não sou de ninguém. Sou carne e espírito, habitante de um mundo mal-amado mas autêntico. Sou amor e dor, sou os braços de quem precisa, o ombro de quem quer chorar e a dura realidade.

Se olho em frente o sol brilha, inunda de luz pequenas partes do cimento gasto e usado, mas acolhe-me numa sombra serena e fresca, para que eu não possa sofrer enquanto exploro o horizonte.

Não te entregues por aquilo que vês, não imagines um presente perfeito com alguem que não está totalmente inteiro. Ainda procuro em mim as pequenas peças que faltam. Os pedaços da minha alma espalham-se numa célere ideia daquilo que sou. Não consigo alcançar todos os significados do que digo, mas posso olhar os fragmentos e tentar decifrar a poesia do que me fará feliz.

Antes da tua presença os dias passaram-se sem que os meus dedos conseguissem expressar as sensações do que sentia, as ideias não flutuavam com a precisão deste momento e o coração não revelava num ápice, a razão da tristeza.

Não estás na minha vida porque me forcei a amar. És, certamente, o presente no meu espírito, mas, está ao alcance da tua mão ser o futuro na minha existência.

…le bonheur tout simplement…

Paula Sousa



Como existem textos e palavras que nos conseguem definir os momentos que vivemos… e este texto representa isso mesmo… sábias palavras…

Aguardem-me…

sexta-feira, 11 de abril de 2008

GENIAL Discurso do Ministro Brasileiro da Educação nos EUA...(Censurado)


Este discurso merece ser lido, afinal não é todos os dias que um brasileiro dá um 'baile' educadíssimo aos Americanos...

Transcrição do Brasileiro - Original

"Durante um debate numa universidade dos Estados Unidos o actual Ministro da Educação CRISTOVAM BUARQUE foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazónia (ideia que surge com alguma insistência nalguns sectores da sociedade americana e que muito incomoda os brasileiros).

Um jovem americano fez a pergunta dizendo que esperava a resposta de um Humanista e não de um Brasileiro. Esta foi a resposta de Cristovam Buarque :

De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazónia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse património, ele é nosso.

Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazónia, posso imaginar a sua internacionalização, como também a de tudo o mais que tem importância para a humanidade.

Se a Amazónia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro... O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazónia para o nosso futuro.

Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extracção de petróleo e subir ou não seu preço.

Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazónia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono ou de um país.

Queimar a Amazónia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

Antes mesmo da Amazónia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França.

Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo génio humano.

Não se pode deixar esse património cultural, como o património natural Amazónico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país.

Não faz muito tempo, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado.

Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milénio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA.

Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade.

Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.

Se os EUA querem internacionalizar a Amazónia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos também todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.

Nos seus debates, os actuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a ideia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida.

Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir à escola.

Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como património que merece cuidados do mundo inteiro.

Ainda mais do que merece a Amazónia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um património da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando deveriam viver.

Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo.

Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazónia seja nossa.

Só nossa!"


ESTE DISCURSO NÃO FOI PUBLICADO. AJUDE-NOS A DIVULGÁ-LO porque é muito importante... e porque foi CENSURADO!



A minha parte está feita… sou sincera não fiz pesquisas a averiguar de qual o fundo de veracidade poderiam estas palavras ter ou não… mas muito sinceramente não achei relevante… são palavras fortes e valem por si… e mensagem essa sim é que deve ser passada e ser transmitida sem censuras!

Aguardo-vos…

terça-feira, 8 de abril de 2008

Rádio Macau | Cantiga d' Amor

Para uma pessoa especial…

Obrigada pela atenção dada nos últimos dias… és uma querida! Apesar de não nos conhecermos de lado nenhum, existe empatia… e existe um carinho mútuo e uma preocupação de nos sentirmos bem… E apesar das poucas palavras ainda trocadas… sei que aprecias aqui o meu cantinho… e não podia deixar de te retribuir este mimo (que tu me deste…)!

Beijinho doce para ti…

Aguardo-te…

sábado, 5 de abril de 2008

Mudanças…


É disso que a vida é feita…

Há quem tenha bom estofo para encarar essas mudanças… há quem tenha menos… há quem nem sequer esteja preparado para elas…

Uma vez que isso, na minha opinião, vai da experiência que cada um de nós vai tendo ao longo das nossas vidas… e infelizmente ou felizmente, vamos criando esse estofo com as nossas vivências, sejam elas boas ou más lembranças…

Eu, posso dizer, que acho que ainda tenho pouca experiência… por isso de tudo que vou vivendo, vou tentando tirar ilações das minhas experiências… e ganhando defesas para não voltar a cair nos mesmos erros… se bem que, na maior parte das vezes, isto não se verifica na prática… falando por mim, parece que por vezes quanto mais erro… mais volto a cometer o mesmo erro…

Se bem que… há vários tipos de mudanças, umas são boas, outras menos boas… mas, na minha opinião, devemos de todas elas retirar conclusões positivas…

Mas, há mudanças, em que somos nós que temos que lhes tomar as rédeas e ver o que de facto é o melhor para nós nesses momentos…

Temos que ser egoístas nesses mesmos momentos, e pensarmos em nós e em mais ninguém… porque senão perdemos o nosso equilíbrio, esse, que é tão importante para andarmos de bem com a vida e a poder encarar com um sorriso…

Mudanças estas que requerem atitudes e quando assim é… há que agir com firmeza, sem demonstrar fraquezas… é complicado, então eu… que sou tão transparente… enfim…

Só sei de uma coisa… orgulho-me de saber o que quero da vida, com quem quero estar e de quem me quero rodear… para isso já tenho maturidade o suficiente para o saber… mas não podemos exigir que sejamos todos iguais… porque não somos… somos todos diferentes… mas é pena, encontrarmos pelo nosso caminho quem não saiba o que quer da vida… eu pelo menos questiono-me, porque há fases para tudo… adiante…

Resta-me mudar… resta-me a mim “escrever” o meu destino… resta-me a mim tomar uma atitude… apenas para me proteger…

Aguardem-me…